Como não fechar as portas em tempo de crise?

Descubra como empreendedores continuam lucrando na quarentena

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Tempo de Crise – A pandemia coronavírus não deu trégua para os empreendedores, comerciantes, empresários e claro, também, está castigando sem dó o consumidor brasileiro. Muitos estabelecimentos foram obrigados a fecharem as portas, como medida de isolamento, para tentar conter o avanço do novo coronavírus.

Porém, o grande problema nessa questão é que muitos empreendimentos literalmente fecharam suas portas. Não estavam preparados e não esperavam uma crise deste porte, não viram alternativas e para não acumular dívidas, acharam por melhor encerrar as atividades.

O Brasil está vivendo um tempo de crise, dias de extrema recessão, o desemprego já começa a assolar boa parte da população. A falta de uma boa estratégia política social econômica interna, reflete muito e torna mais duro o atual momento.

A crise chegou devido ao Covid-19, é verdade. Causou e está causando muitas perdas e prejuízos à comerciantes, empresários, tornou um caos a economia num todo. E quem é que mais sofre nesse cenário? Quem é que mais está pagando o preço nesse tempo de crise? Sem dúvida alguma é o lado mais fraco da corda, o assalariado e o microempreendedor que testemunha o seu pouco fluxo econômico travar e desaparecer.

O pior é que, se olharmos para o horizonte em busca de uma solução, vamos nos decepcionar. Pois, até o momento em que redijo esse artigo, não vejo qualquer atitude coerente dos poderes responsáveis pela condução segura e cuidados para com a nação.

Não há – se quer – um planejamento, uma estratégia da União para tentar driblar, contornar a crise instaurada pelo coronavírus no Brasil. Antes, ao contrário, o líder máximo da Nação, o presidente eleito Jair Bolsonaro, só fala em Cloroquina e faz vídeos sem sentidos nas redes sociais. Num dos últimos, riu e ainda fez piada entre o medicamento e uma marca de refrigerante.

Para piorar, além de não ter propostas, se interpõe as medidas de isolamento adotada pelos estados, na tentativa de conter o avanço do coronavírus. Apoia atos e manifestos que podem contribuir ainda mais para a proliferação do vírus. Faz totalmente o opostos dos demais líderes mundiais.

A crise nas terras dos colonizadores

Portugal, um dos países europeus que adotou o isolamento social, de acordo com a brasileira Quitéria Sousa, 39 anos – que vive há mais de 12, nas terras dos patrícios – na última semana, os comércios e as atividades começaram a fluir novamente, claro que de forma cautelosa. Mas já é um respiro para os portugueses e os que lá estão erradicados.

A brasileira relata que todas as precauções estão sendo adotas no País, o uso de álcool em gel, máscaras e demais medidas possíveis de prevenção que foram recomendadas.

Como não fechar as portas em tempo de crise?
Quitéria Sousa, 39 anos – vive há mais de 12, nas terras dos patrícios Foto Arquivo Pessoal de Quitéria

Destacou o papel da sociedade no combate a pandemia,”o importante foi e é cada um fazer a sua parte, atender e respeitar as exigências de prevenção e nos cuidarmos é fundamental. Se continuarmos fazendo a nossa parte, evitarmos as aglomerações, o vírus não terá tempo suficiente para se espalhar”, disse.

Ela também ressaltou a seriedade e comprometimento com que o governo de Portugal se comportou para lidar com a crise e o problema do coronavírus, fez um comparativo com as autoridades do Brasil. “Diferentemente do governo brasileiro que praticamente ignorou e faz ironia com esse tempo de crise, os portugueses levaram o problema muito à sério e não o trataram como uma “gripezinha”. Portugal acatou e seguiu as recomendações da Organização Mundial de Saúde – OMS, e isso foi fundamental para que agora, os trabalhos pudessem ser retomados e não suportássemos um tempo de crise maior”, esclarece a brasileira.

Portas fechadas em Portugal

Assim como nos estados brasileiros, o novo coronavírus trouxe problema e crise para todos os setores de negócios do mundo inteiro. Também não foi diferente para os negócios dos portugueses, todos tiveram que fechar as portas, por um determinado tempo, em virtude do enfrentamento ao Covid-19.

Para o empresário, isso não deixa de ser um momento de grande preocupação. Pois, o fato de ter que baixar as portas sem saber ao certo o tempo que tal medida vai durar, sem ter uma definição, uma previsão de quando as coisas poderiam se regularizar e voltar a funcionar normalmente, é aterrorizador. No entanto, a maioria dos cidadãos portugueses, compreenderam que o momento era propício e respeitaram o que foi recomendado para não se alongar um tempo de crise.

Como não fechar as portas em tempo de crise?
Dina Valente , empresária portuguesa, gerencia um Café nas proximidades de Lisboa- Arquivo pessoal de Dina

A empresária portuguesa Dina Valente, dirige um café nas proximidades de Lisboa. Ela afirma que foi sacrificante e dolorido ter que adotar o isolamento social – isso, olhando apenas para o lado financeiro – mas destaca que o sacrifício valeu a pena. Para a empresária, cada dia de quarentena completado, foi uma forma de deter o avanço da pandemia. Agora, ela comemora o retorno aos trabalhos.

“Retomamos as nossas “actividades” com todas as medidas de segurança necessárias, o cliente entra sem medo e nós estamos protegidos com máscaras e “desinfectantes“. Valeu o sacrifício!

Valente disse ainda que, o ato de adotar o isolamento foi mais do que um sacrifício comercial e financeiro, mas, também, foi uma atitude de amor, respeito aos que puseram e estão pondo a vida em risco no combate a doença e as famílias dos vitimados.

“A vida é um bem precioso e o sacrifício é até por respeito a quem esteve na linha “da frente“, as pessoas que morreram por causa do Covid-19 e seus familiares. Não me arrependo um minuto de ter fechado as portas por 60 dias”, afirma a empresária.

Segundo a Portuguesa, o seu café pôde ser reaberto, mas foi necessário cumprir algumas exigências, “Antes tínhamos 34 mesas, o número foi reduzido para 17 e com distanciamento de um pouco mais de dois metros”, explica.

Como não fechar as portas em tempo de crise?
O Café de Dina, antes da Pandemia – fotos arquivo pessoal de Dina

Todos os clientes que entram no estabelecimento de Dina, obrigatoriamente, estão seguindo o protocolo e as recomendações determinadas pelas autoridades do país. Todos devem fazer o uso de máscaras. Também há, na entrada do Café, álcool para que as pessoas possam se higienizar.

Com os devidos cuidados e precauções a vida em Portugal voltar a correr. Um pouco longe da normalidade, ou, daquilo que consideramos normal. Mas com as medidas de seguranças e prevenção sendo executadas, após cumprirem 60 dias de isolamento social – como destacou a empresária – agora por lá, as portas, de alguns dos comércios dos portugueses, já não estão mais fechadas.

Como não fechar as portas em tempo de crise?
Pós Covid-19, o local foi totalmente readequado com os espaçamentos entre as mesas fotos arquivo pessoal de Dina

A crise do Coronavírus no Paraná

No Paraná, o coronavírus também está deixando a sua marca. De acordo com um levantamento realizado pelas Secretarias de Planejamento e Fazenda do governo estadual, só nas primeiras semanas de isolamento social, o setor de restaurantes, lanchonetes, pizzarias, deixou de lucrar R$ 336 milhões.

Ainda segundo o levantamento, empresas de vestuário também tiveram perdas, com números superior ao do setor alimentícios, os prejuízos chegam à R$ 477 milhões. De acordo com o boletim, o setor automotivo, também está perdendo muito nessa história, os dados apontam que o setor deixou de lucrar R$ 892 milhões.

Os números são do primeiro boletim de conjuntura econômica sobre os impactos da Covid-19, divulgado em abril pelas secretarias de Planejamento e Fazenda do governo do estado.

Porém, na contra mão dessas quedas e perdas no faturamento, há alguns empreendedores que se reinventaram, apostaram e criaram novas alternativas. E, mesmo em tempo de crise, estão lucrando.

Como Vender em Tempo de Crise, mesmo com as portas fechadas?

É possível vender mais em tempo de crise, mesmo com as portas fechadas?
É possível vender mais em tempo de crise, mesmo com as portas fechadas?

Alguns empreendimentos encontraram um caminho para aumentar seus lucros e mantiveram os ganhos mesmo no período pandêmico.

O comerciante Leomar de Melo – proprietário do Restaurante e Pizzaria Tutti Temp – é um dos exemplos de empreendedores que encontraram uma alternativa para continuar faturando na quarentena da Curitiba isolada pela pandemia. Ele se reinventou e saiu na frente da concorrência. Agora, apenas colhe os frutos do que foi e ainda continua sendo plantado.

Melo conta que semanas antes de implodir a pandemia no Brasil e vir a ordem para fechar os estabelecimentos, por determinação do Estado e Município, assinou um contrato com agência de marketing digital de Curitiba. A empresa é especializada em Marketing Digital, presta serviço em todo território nacional.

De acordo com o comerciante, desde que começou a investir no setor de publicidade digital, as vendas subiram para mais de 200%, isso, segundo ele, ainda, nas primeiras semanas de trabalho.

“Acabei que tive sorte de contratar os serviços da Agência, mal começamos a desenvolver os trabalhos, deu-se início a pandemia, veio a quarentena e o isolamento social. Mas eu já estava com a campanha rodando. Então, não perdi. Na verdade, foi ao contrário, lucrei mais de 200%, nas primeiras semanas. E ainda, continuo faturando muito bem, graças a esse trabalho de marketing”, afirma.

Assim como Leomar de Melo, outros empreendedores entenderam a situação e se adaptaram a necessidade imposta pela ocasião.

Antonio Zanette Lopes é um dos fundadores da Táxi Especial, empresa de Táxi com carros adaptados para receber pessoas com necessidades especiais. Ele também viu a força positiva do mercado digital em prol de seu negócio

Os carros utilizados na Táxi Especial, são totalmente preparados para atender as pessoas que fazem o uso de cadeira de rodas. O ramo de investimento do empresário, como você pode perceber, é totalmente o oposto do dono do restaurante, mas, mesmo assim, os resultados foram surpreendentes.

Zannethi destaca o impacto positivo do marketing digital em sua empresa.

O empresário afirma que obteve um crescimento de mais de 100% nas solicitações, após iniciar os trabalhos no meio digital.

“Nós não tínhamos nenhuma referência na internet, tudo foi criado por meio da Domínio Digital. Criaram um site, otimizaram nossas redes sociais e com isso as chamadas foram surgindo de forma estrondosa”, conta.

Estratégias Online para seu negócio vender mais

Venda mais, no tempo de crise, de forma online, mesmo com as portas fechadas
Venda mais, no tempo de crise, de forma online, mesmo com as portas fechadas

De acordo com o SEO da Agência Domínio Digital, Emerson Lopes, o mundo online oferece inúmeras possibilidade de lucro para os empreendedores. No entanto, segundo o estrategista digital, muitos ainda temem o investimento na plataforma por falta de conhecimento das “engrenagens interna” do processo de criação e gerenciamento de campanhas.

“Acontece que alguns empreendedores, comerciantes e até mesmo o autônomo, só por achar que tem um perfil no Facebook, Instagram, acreditam que isso já seja o suficiente para ter retorno no universo digital e não é assim. O fato de ter uma Fan Page no Facebook, não quer dizer que vou ganhar dinheiro, se eu não souber o que estou fazendo, posso é perder e até ter prejuízos”, explica.

Para o especialista, se não houver uma preparação estratégica nas campanhas, todo investimento que se faz por meio de Rede Sociais pode ser prejudicial. “Não é só chegar e impulsionar o meu post no Facebook, existe uma estratégia, um planejamento mercadológico por trás. Nós trabalhamos e criamos essas estratégias. em cima do marketing digital, para poder levar o que você está oferecendo ao público certo”, conclui.

Leia mais sobre as consequências do Covid-19 em Curitiba, clique aqui.

Plataforma para ajudar os empreendedores

O Portal Sou Mais Curitiba entendendo o momento delicado que a economia brasileira está atravessando, mediante ao isolamento social imposto pelo Covid-19, vulgo coronavírus, em parceria com a Agência Domínio Digital,  disponibiliza – gratuitamente – uma plataforma onde o empresário, comerciante, empreendedor autônomo pode divulgar seus negócios, produtos e serviços gratuitamente. Clique aqui e inscreva – se e comece a vida do seu negócio no mundo Online!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkdin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
DEIXE UM COMENTÁRIO