Oásis de Alimento em Curitiba

O trabalho na horta comunitária cultiva as memorias de infância e juventude

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um pontinho verde cheio de vida brota em plena região central de Curitiba. No bairro Prado Velho, uma horta comunitária orgânica criada e cultivada apenas por mulheres gera alimentação saudável, conecta histórias e resgata memórias afetivas.

A horta surgiu há quase três anos dentro de um terreno particular por iniciativa de mulheres da Associação Santa Luísa de Marillac, ligada à Paróquia São João Batista. O proprietário cedeu espaço para a associação e a Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional da Prefeitura de Curitiba fornece insumos e assistência técnica.

No espaço de 300 metros quadrados, 18 mulheres, a maioria moradora da Vila Torres, plantam, cultivam e colhem cerca de 80 espécies de alimentos.

Entre clássicos da horticultura, como alface, cenoura, beterraba e couve, estão também as “queridinhas” do momento: as Plantas Alimentícias Não Convencionais (Pancs). Ervas medicinais também têm um canto dentro da horta.

Precisa de Serviço Ortodôntico? Clique aqui

Oásis de alimento em Curitiba

“Ali é mentruz, a outra com flor é a capuchinha, são Pancs que nasceram sozinhas. Tem também alfazema, hortelã e temperos”, mostra Inês Buratto, vice-presidente da associação que coordena o grupo e as tarefas das mulheres na horta.

Oásis de Alimento em Curitiba

Desde a limpeza do terreno, preparo dos canteiros, plantio e cuidados com a terra todos os trabalhos são feitos pelo grupo de mulheres. Antes de virar o pequeno oásis de alimento, o terreno tinha entulhos e lixo.

“Aqui é nosso quintal, ajudo a cuidar com carinho e com gosto”, diz Eva Aparecida Dantas, vizinha da horta e integrante do grupo de agricultoras urbanas.

A produção colhida é dividida entre as 18 mulheres e também distribuída entre famílias carentes da região, atendidas pela Associação Santa Luísa de Marillac. O que sobra é vendido ali mesmo e o dinheiro é usado para pagar a conta de água e outros insumos.

“Elas usam o dinheiro para comprar mudas de espécies que não temos, ferramentas e outras coisas necessárias para a horta”, diz Fabiana Hammerschmidt Marcondes, chefe do Núcleo Regional de Segurança Alimentar e Nutricional da Regional Matriz.

Aprenda a cozinhar sem desperdiçar nada

A horta revelou um universo de novos sabores e de possibilidades para muitas mulheres. Aline da Silva nunca tinha experimentado alho-poró. “Só conhecia alface e gostei muito do alho-poró. Hoje faço torta, refogo com arroz e fica muito bom.”

Para Diva Ribeiro dos Santos, o trabalho na horta comunitária cultiva suas memorias de infância e juventude, quando morava no interior do Paraná e trabalhava na lavoura. “Quando coloco as mãos na terra eu me vejo lá atrás, na roça onde cresci e isso me deixa feliz.”

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkdin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
DEIXE UM COMENTÁRIO